RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

quarta-feira, 26 de abril de 2017

LANÇAMENTO DO DVD “45 Anos – os Monarcas”


Grupo Os Monarcas lançará em Erechim DVD
 que marca os seus de 45 anos de carreira 

 
A família Os Monarcas está preparando uma grande festa para o dia 26 de abril, em Erechim (RS). Integrantes do conjunto e fãs comemoração juntos, na Praça Jaime Lago, os 45 anos de carreira e também o lançamento do terceiro DVD.
 
A festa terá início às 20h com a exibição do documentário “Os Monarcas – A História”, com destaque para Thomas Machado, o gauchinho que venceu o programa de TV The Voice Kids (Globo), que no filme interpreta Gildinho, o líder do grupo. Na sequência o público irá conferir a apresentação do Hino dos Monarcas e das 23 crianças que participaram do projeto “Os Monarcas e os Novos Talentos”.
 
A terceira parte da comemoração ficará a cargo dos anfitriões. O grupo relembrará os sucessos que marcaram a carreira e apresentará ao público três canções inéditas: “Quando uma gaita se cala”; “Alma Fandangueira” e “Pra sempre um Monarca”.
 
O DVD “45 Anos – Os Monarcas” poderá ser adquirido no dia do evento, no local. Após, será comercializado nas lojas Multishow, Minuano Discos, Querência Discos, Gravadora Acit, Mídia A e também nos bailes e shows do conjunto Os Monarcas. O DVD também já pode ser comprado pela internet na loja virtual da produtora Mídia A (www.lojaosmonarcas.com). Mais informações pelo telefone (51) 3022-2213. 
 
SERVIÇO
·         O quê: Lançamento DVD “45 Anos – Os Monarcas”
·         Quando: 26/04/2017 (quarta-feira), às 20h00
·         Onde: Praça Jaime Lago, em Erechim (RS)
·         A entrada no evento é gratuita.
 
Mais informações:
·         Produtora Mídia A – Telefone: (51) 3022-2213
 
Créditos: Daiana Silva

 
Grande abraço!

 
Daiana Silva
Jornalista
daianasilva.jornalista@gmail.com
(51) 98187-0085 (Claro / WhatsApp)
 
 
 
 

CHASQUE DO MTG


Abertas inscrições para Cfor para Músicos
 


O Movimento Tradicionalista Gaúcho realiza, no dia 01 de maio, a primeira edição do Cfor para Músicos. O evento acontecerá na sede da entidade, em Porto Alegre, das 9h às 18h. O curso é gratuito e as inscrições podem ser feitas até o dia 30 de abril no link 
Foto: Imagens Gaúchas
 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
51 9370 0619
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 25 de abril de 2017

REPONTANDO DATAS / 25 ABRIL



Num dia 25 de abril, do ano de 1961, morria na cidade de Porto Alegre, Antônio Augusto Borges de Medeiros, o Pai dos Chimangos, gaúcho que mais tempo governou o Rio Grande.
 
 
 

MAS QUE BAGUALISMO!!!!


 
Neste final de semana participei da triagem do 10º Canto Missioneiro, de Santo Angelo. Me bandeei para a Capital das Missões "somente" na companhia do Supremo Arquiteto, escutando músicas gaúchas que minha filha salvou num pen drive para mim. Para facilitar o manuseio do rádio, fui com o carro da minha esposa que tem todos os recursos na direção (levantar volume, passar ou retroceder a música, telefonar do viva voz), tudo na mão canhota, como quem acaricia o braço de um violão. Antes da partida a Mariana (minha filha) levantou cedo para ministrar algumas instruções do manuseio.
 
Na vinda de lá para cá, me fez parceria o grande guitarreiro Marcello Caminha, figura humana sem par e músico dos melhores que esta província de São Pedro já pariu. Entre causos e risadas nem vimos o tempo passar.
 
Ali por.. não sei bem onde, resolvemos parar para aliviar a bexiga. Ao retornarmos ao carro, ainda com o veículo parado, falei para o Marcello: - Acho que estraguei a condução da patroa. Não funciona mais nada do rádio.
 
O parceiro de jornada deu uma bombeada e disse: - Léo. Tu tá apertando no lugar errado. Aqui é o controle do rádio (apontando para o lado direito da direção).
 
- Não é - teimei com a certeza de que dois e dois são quatro. - Vim mexendo sempre aqui, do lado esquerdo.
 
Então o bageense que conquistou o Rio Grande com um brilhante toque de violão argumentou com sua calma peculiar: - Mas é que a direção tá torcida.
 
Aí, ante a vacilada deste boca-aberta, arrematou junto a uma risada de quem já me conhecia há vários anos: - MAS QUE BAGUALISMO!
 
 
 
 
 

CHASQUES DO MTG


Cfor será realizado em São Vicente do Sul   
 

O município de São Vicente do Sul, na 10ª Região Tradicionalista, será palco de mais uma edição do Curso de Formação Tradicionalista. Das 9h às 18h do dia 7 de maio, os participantes aprenderão sobre História do Rio Grande do Sul; História do Tradicionalismo Gaúcho; Noções básicas da Cultura Gaúcha; Carta de Princípios; Gestão de pessoas: liderança, relacionamento interpessoal e gerenciamento de conflitos; Voluntario e Conduta e Ética.
 
 O local escolhido é o CTG Cancela da Fronteira (Rua Quincas Maciel, 1345 - Bairro Vila Carapé).
 As inscrições, ao custo de R$ 65,00, podem ser feitas no link
 
 
 

 

CLASSIFICADAS DO CARIJO



 
 
 

segunda-feira, 24 de abril de 2017

CLASSIFICADAS DO 10º CANTO MISSIONEIRO



Depois de três dias de triagem, já estão definidas as composições classificadas para o 10º Canto Missioneiro da Música Nativa e os intérpretes para o 9º Canto Piá Missioneiro, que será realizado nos dias 18, 19 e 20 de maio de 2017. A Presidenta do Festival, Neusa Cavalheiro, e o Coordenador, Luciano Freitas, juntamente com toda a Comissão Organizadora (Eduardo Santos, Douglas Barbosa, Willian Dewes, Lennon Freitas, Rosangela Meneghini e Simone Moreira) acompanharam toda a triagem, que começou na sexta-feira (21) e terminou no final da manhã de hoje (23), onde jurados selecionaram as 32 músicas  que subirão ao palco do festival entre 898 inscritas. O júri foi formado por Antonio Fontoura, Juca Moraes, Juliano Javoski, Léo Ribeiro de Souza e Marcelo Caminha. As composições  deram bastante trabalho aos jurados pelo alto nível das concorrentes, o que eleva ainda mais a qualidade das apresentações que o público verá nos palcos durante os três dias de festival.

As composições selecionadas seguem abaixo:
ETAPA GERAL  -  19/05/2017 
TÍTULO - RITMO - LETRA - MELODIA
A Cicatriz da Fronteira  - Milonga - Rodrigo Bauer - Marcelinho Carvalho
Anjo na Praça - Canção - Claudio Reinke - Jean Kirchoff
Caá – Yari - Canção - Chico Saga/Mário Tressoldi - C.Saga/M.Tressoldi
Caminhador - Chamamé - Rogério Villagran - André Teixeira
De Encher “Os Tarro”- Chamarra - Volmir Coelho - Volmir Coelho
Em Nome da Terra - Milongão - Rômulo Chaves - Robledo Martins
Flor da Fronteira - Vaneira - Gujo Teixeira - Luciano Maia
Jeito de Missioneiro - Chamarra - Jaime Brum Carlos - Marcio Correia
Legados Missioneiros  - Polca Miss. - Nenito Sarturi - Leonardo Sarturi
Nos Fim” de Tarde - Vaneira - João A.M. Farias -  Zulmar Benitez
Sul Brasileiro - Chamarra - Angelo Franco - Matheus Alves
Um Isnuque a moda Véia - Vaneira - Diego Muller/Binho Pires - Erlon Péricles 
ETAPA LOCAL - 18/05/2017
TITULO - RITMO - LETRA - MELODIA
A Mendiga da Catedral - Milonga - Claudino de Lucca - Claudino de Lucca
Garupa - Xote - Otávio Reichert - Otávio Reichert
Dois Corações - Milonga - Fabio Modelski - Fabio Modelski
Mala Véia de Garupa - Vanera - Olgi Krejci - Fabio Oliveira
Missioneiro Sentimento - Chamamé - Edson Copetti - Edson Copetti
Na Bossoroca é Assim - Rancheira - Pedro Carvalho - Índio Beiéco
O Canto do Quero-Quero - Chamamé - Mário Amaral - José M.R.Nardes
Paisagem que Contemplo - Canção - Fco. Carneiro Neto - Marco A.R.Nardes
Prelúdio de Primavera - Guarânia - Eron Carvalho - Rubilar Ferreira
Valores - Canção - Claudio Vargas - Claudio Vargas
Nota do Blog: Terminamos ontem a triagem do 10º Canto Missioneiro, após ouvir 898 trabalhos inscritos. Talvez, neste processo, tenhamos cometido alguma injustiça, mas lhes confesso que, se isto aconteceu, foi inconscientemente pois o júri foi composto por pessoas íntegras, de bom trato, mas com gosto diversificado, musicalmente falando. 
Sob a tutela do competente Coordenador Jairo Reis e a hospitalidade missioneira de toda a comissão organizadora, tivemos todas as condições de trabalho num ambiente bom, próprio para a tarefa que desenvolvemos.
Parabéns aos classificados e nosso respeito a todos que remeteram obras para este evento que se consolida como um dos maiores festivais do Estado, o Canto Missioneiro de Santo Ângelo.
 Juliano Javoski, Léo Ribeiro, Juca Moraes, Marcello Caminha e Antônio Fontoura
 

domingo, 23 de abril de 2017

#VEMPROMATE


Grande roda de chimarrão virtual é neste final de semana
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho faz a frente em mais uma edição do #vempromate. A edição 2017 está marcada para o próximo dia 24 de abril (Dia do Chimarrão e do Churrasco) e o convite é para que já a partir de sábado, dia 22, os internautas comecem a formar uma grande roda de chimarrão virtual, postando na rede social de sua preferência uma foto sua mateando.
 
Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, o #vempromate celebra o espírito de amizade e hospitalidade que a bebida típica do gaúcho simboliza e inspira e estão todos convidados a participar.
Foto: Imagens Gaúchas
 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
51 9370 0619
 
 
 

CAVALGADA DA TALA


 
Neste domingo, dia 23, comemora-se o Dia de São Jorge, o Santo Guerreiro. Pela capital uma imensa procissão sairá da Igreja de São Jorge, no Partenon, pelas ruas do bairro. Já pela Zona Sul da cidade acontece mais uma edição (24ª)  da conhecida Cavalgada da Tala onde cerca de dois mil e quinhentos participantes sairão de Belém Novo até o Lami, no  templo de São Jorge que leva o nome da Cavalgada, num percurso de 16 km, tendo a frente um cavaleiro representando o Santo.
 
A Cavalgada da Tala já é considerada por muitos como a maior do Rio Grande do Sul superando, inclusive, a Cavalgada do Mar. Nesta edição teremos algumas características inovadoras. Além de toda a documentação necessária para que o animal transite em vias públicas, como comprovantes de vacina, existe a proibição do uso de facas, um instrumento de trabalho (mas também de peleia) que sempre acompanhou o gaúcho. Tenho curiosidade de saber como será o procedimento para que tal determinação seja cumprida.


 
 
 

sábado, 22 de abril de 2017

CONCENTRAÇÃO TOTAL


 
Estamos aqui pela Capital das Missões, Santo Ângelo, grudados que nem barro em tamanco. Concentração total para tentar ser o mais justo possível ao ouvir 898 músicas e decidir pelas classificadas que subirão ao palco do 10º Canto Missioneiro.
 
Ontem fomos até as três da matina, e hoje a pegada é cedo. Mas não "afrouxemo" o garrão.
 
 
 
 

sexta-feira, 21 de abril de 2017

É O QUE PENSO!


Enquanto o povo brasileiro carregar (com orgulho) a alcunha de malandro, jamais sairemos deste brete.
 
Léo Ribeiro
 
 
 

10º CANTO MISSIONEIRO



Companheirada.

Neste momento estamos (eu e Deus) abrindo o pala para as bandas da Capital Missioneira, Santo Ângelo, onde, hoje a noite, começaremos a triagem do 10º Canto Missioneiro e do 9º Canto Piá Missioneiro, coisa que se estenderá até a boca da noite de domingo, devido ao grande número de inscrições deste consagrado festival.  

Encontrarei por lá meus parceiros de Comissão Juca Moraes, Antônio Fontoura, Juliano Javoski e Marcello Caminha. Gente séria, competente.

Só peço ao Patrão Velho que me acompanhe nesta jornada e que eu seja o mais justo possível dentro do critério que adoto nestas empreitadas, ou seja, gosto ou não gosto, sem me importar de onde e com quem vem o trabalho.

Buenas a até a volta. 


 
 
 
 
 
 

CHASQUES DO MTG


Abertas inscrições para curso para Instrutores de Danças Tradicionais

 

O Movimento Tradicionalista Gaúcho realizará, no dia 20 de maio, o curso de Capacitação para Instrutores de Danças Tradicionais Gaúchas. O evento acontecerá na sede da entidade, em Porto Alegre, ao longo de todo o dia.  

O investimento é de R$ 250,00 e os interessados podem se inscrever pelo link

Os pré-requisitos são ter conhecimento notório de todas as danças tradicionais gaúchas, conhecimento pleno sobre a instrução de todas as danças tradicionais gaúchas, 18 anos de idade e ter concluído o curso de Formação Tradicionalista (básico, patronagem ou avançado).  

Durante o curso serão abordados temas como Estrutura do MTG (Regulamentos Geral e Artístico); Indumentária; Voluntariado; Ética e Conduta e Danças Tradicionais Gaúchas (4ª Edição Manual de Danças).  

Terão direito a aquisição do cartão de instrutor aqueles que forem considerados aptos na prova prática e atingirem, no mínimo, 70% de acertos na prova escrita.  

Foto: Deivis Bueno  

Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
51 9370 0619
 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

TRÊS ANOS SEM XIRUZINHO


Uma cruz solitária e um eucalipto ainda chamuscado
marcam o local do acidente que vitimou  Xiruzinho / Foto: Léo RS


Hoje, dia 20 de abril, faz três anos que o cantor, amigo e irmão Xiruzinho partiu para um outro plano. Assim, naquele dia, nosso blog levou a notícia para os milhares de fãs deste grande artista:
 
"Morreu em um acidente de carro, na entrada deste domingo de páscoa, João Darlan Betanin, mais conhecido como Xiruzinho. O acidente ocorreu a poucos quilômetros de onde estou, em São Francisco de Paula. Xiruzinho jantou com familiares e, por volta da meia noite, dirigiu-se para Caxias do Sul, onde morava. Na localidade da Várzea de São João perdeu o controle de seu meriva que bateu, em alta velocidade, contra um mato de eucaliptos vindo a incendiar-se. Xiruzinho morreu carbonizado. Neste momento são 12hs30min e o corpo ainda encontra-se no carro funerário na espera de parentes que estão vindo de Caxias do Sul.
 
João Darlan Bettanin era natural de Esmeralda, tinha 48 anos. Cantor, compositor, escritor e advogado Xiruzinho foi um dos maiores seguidores da música de Noel Guarani. Por vezes era apresentado como O Serrano Mais Missioneiro do Rio Grande. Ele estudou violão clássico e iniciou a carreira em 1983 e tinha quatro discos gravados.
 
Poucos dias atrás estive conversando com o Xiruzinho e me falava de seu desalento com a música nativista. Tanto é assim que estava "largando das pilchas" e partindo para uma carreira mais abrangente onde recentemente lançou o CD Aquarelas de Amor.
 
Mas ele estava muito contente pelo enorme sucesso obtido com seu livro/CD A Arte Real, lançado em 2012, onde, em Poesias, falava sobre a maçonaria Ordem que ele frequentava há pouco tempo mas que lhe estava proporcionando um reencontro consigo mesmo. Ele visitou, promovendo seu livro, dezenas de Lojas Maçônicas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Em nossa Loja, ele deu um verdadeiro show entre palestra, prosa e música.
 
Conversei, aqui por São Francisco de Paula, com pessoas que participaram de sua última noitada nas plagas terrenas e me falaram que ele estava muito feliz, cantando e sorrindo, junto com sua família, apenas deu umas "cochiladas". Inclusive lhe falaram para passar a noite por ali. 
 
Detalhe: No porta-malas de seu carro, praticamente intacto, avistei o estojo de seu inseparável e grande amigo violão... 
 
  carro de Xiruzinho após o acidente - Foto: Léo RS
  
João Darlan, o “Xiruzinho”,
meu afilhado e parceiro;
por cantor e guitarreiro,
o meu verso com carinho.
Que Deus “alumbre” o caminho,
que tomastes, sem dizer.
Quando puderes me ver,
ouvirás meu coração,
repetindo a saudação,
que se faz Entre Colunas:
“en noche de sol y luna”,
numa eterna comunhão.

Verso de: Dom Arabi Rodrigues
 
João Darlan Betanin, o Xiruzinho
 
 
 

CHASQUES DO MTG


MTG amplia escopo de conteúdos no Facebook
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho, em seu objetivo de promover conhecimento histórico e cultural, está ampliando a utilização de sua plataforma de mídias sociais. Inicialmente utilizada para divulgação jornalística e comunicados pontuais, a partir de agora a página do MTG no Facebook também abarcará conteúdo formativo.
 
A primeira ação iniciou no dia 11 de abril e se estende ao longo de um mês, dando destaque a cada um dos objetivos da Carta de Princípios. Segundo o presidente da entidade, Nairo Callegaro, o documento é basilar nas ações das entidades e nem sempre amplamente conhecido pelos tradicionalistas e sociedade em geral.
 
“O formato de cards é muito interessante, porque entrega conteúdo de maneira objetiva, visualmente atrativo, e com uma arquitetura de elementos que facilita a absorção e aprendizagem”, afirma Callegaro. Segundo ele, um calendário editorial de médio e longo prazos está sendo elaborado, de forma a contemplar conhecimentos fundamentais principalmente para quem atua no meio tradicionalista.
 
Atualmente a página do Movimento conta com 22 mil seguidores. 
 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
51 9370 0619
 
 
 

quarta-feira, 19 de abril de 2017

FICO SÓ MATUTANDO


Fico me perguntando: - Por que a Receita Federal não teve a mesma tenência, a mesma preocupação, com os bilhões sonegados da Odebrecht, como tem com as míseras patacas que recebo do ECAD por minhas letras?


 
 
 

FALTA O RECONHECIMENTO



 
Por: Ramão Aguilar
 
Neste dia dedicado, também, ao Índio gostaria de homenagear Andrés Guacurarí y Artigas, nosso Andresito Artigas, São-borjense, guaraní e missioneiro. Filho adotivo de José Gervazio Artigas, nasceu em 30 de novembro de 1783; foi Capitão de Blandengues, Governador Geral de Misiones e atual Herói Nacional da argentina e Uruguai. Falta o reconhecimento de suas virtudes de parte dos Missioneiros Gaúchos, especialmente de São Borja, sua terra natal.
 
 
 
 
 

DIA DO ÍNDIO OU DIA DE ÍNDIO?

 
ANTIGAMENTE ERA ASSIM...


...MAS HOJE EM DIA É ASSIM!
Foto: Léo RS 


Como diz a letra da bela canção interpretada por Gilberto Gil, "todo dia era dia de índio, mas hoje eles só tem o dia 19 de abril".

Realmente, quem primeiro chegou em nossas terras, quem andejava livre, irmãos do vento, filhos das matas, dos poucos que restaram, dizimados pelas doenças do homem branco ou exterminados nas carnificinas como a Guerra Guaranítica, onde Espanha e Portugal uniram-se para banir o povo de Sepé do sul do continente, isto depois de já terem seus hábitos "domesticados" pelos senhores de batina e cruz no peito, pouco restou.

Restou a vergonha de ver mulheres índias, ainda novas, com um monte de filhos, disciplinados, pois passam o dia sentados no mesmo local, sem chorar, sem pedir brinquedos, a clamar, com seu olhar, por uma moeda.

Muitas são as classificações dos povos indígenas que viviam entre o oceano Atlântico e a margem esquerda do rio Uruguai. Apesar da importância de cada uma delas três grandes grupos se destacaram: guaranis, pampeanos e gês.

Antes e mesmo depois da chegada dos europeus, esses grupos indígenas empreenderam movimentos migratórios característicos de seu modo de vida nômade ou semi-sedentário. Migraram também forçados pela presença dos colonizadores e seus descendentes que ocupavam suas terras ou os aprisionavam para escravizá-los.

Os guaranis ocupavam as margens da Laguna dos Patos, o litoral norte do atual Rio Grande do Sul, as bacias dos rios Jacuí e Ibicuí, incluindo a região dos Sete Povos das Missões. Dominaram também a parte central e setentrional entre os rios Uruguai e Paraná, bem como a parte sul da margem direita do rio da Prata e o curso inferior do rio Paraná.

Havia entre os guaranis três subgrupos principais: os tapes (indígenas missioneiros dos Sete Povos), que ocupavam as margens dos rios a oeste do atual território do Rio grande do Sul e o centro da bacia do rio Jacuí; os arachanes ou patos, que viviam às margens do rio Guaíba e na parte ocidental da laguna dos patos; os carijós, que habitavam o litoral, desde o atual município de São José do Norte até Cananéia, ao sul de São Paulo.

Apesar da variedade de dialetos, o tupi-guarani era o tronco lingüístico comum a esses grupos indígenas.

Os pampeanos constituíram um conjunto de tribos que ocupavam o sul e o sudoeste do atual Rio Grande do Sul, a totalidade dos território da República Oriental do Uruguai, os cursos inferiores dos rios Uruguai, Paraná e da Prata. Os subgrupos e tribos mais conhecidos entre eles foram os charruas, guenoas, minuanos, chanás, iarós e mbohanes. Todos falavam a língua guíchua, com poucas variações dialetais.

Os gês possivelmente eram os mais antigos habitantes da banda oriental do Rio Uruguai. É provável que essas tribos começaram a se instalar no atual Rio Grande do Sul por volta do século II a.C. Ocupavam o planalto rio-grandense de leste a oeste e abrangiam vários subgrupos: coroados, ibijaras, gualachos, botocudos, bugres, caaguás, pinarés e guaianás. Estes últimos, no início do primeiro milênio d.c., foram expulsos pelos guaranis da região posteriormente denominada Sete Povos das Missões.

Os gês do atual Rio Grande do Sul foram dizimados pelos bandeirantes, guaranis missioneiros, colonizadores portugueses, brasileiros e ítalo-germânicos. Os grupos que vivem atualmente nas reservas de Nonoai, Iraí, Tenente Portela migraram de São Paulo e Paraná, no século passado, durante a expansão da lavoura cafeeira.

São conhecidos desde 1882 por kaingangs ("kaa" = mato; "ingang" = morador), conforme foram denominados genericamente por Telêmaco Borba (o mais importante estudioso e defensor dos indígneas no século passado).

Apesar das perseguições sofridas no período que habitaram o território gaúcho, os índios cultivaram hábitos que acabaram se perpetuando no cotidiano do povo do Rio Grande do Sul como o chimarrão e o fogo de chão. Além disso, o aipim, a farinha de mandioca, a abóbora, a batata-doce, são ingredientes da culinária indígena que acabaram fazendo parte da alimentação gaúcha, além é claro da língua guarani incorporada ao dialeto do povo do sul.

Resta, neste dia, que nossas autoridades, não só políticas, mas também tradicionalistas, voltem seus olhos para o abandono destes primeiros habitantes do Rio Grande que hoje são castigados pelas doenças, pela fome, pela prostituição.

Andem até o município de Rolante, de Maquiné, pelos beirais das estradas que levam ao sul do Estado, aqui mesmo na volta da capital, no Morro do Osso, e façam alguma coisa pelo que restou de uma raça.
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 18 de abril de 2017

NÃO HAY BENZEDEIRA QUE CURE!


Se os relatos dos delatores da Odebrecht vão contra minha gente e meu partido, é tudo mentira. Contudo, se as delações são denúncias contra meus adversários, é tudo verdade.
 
Como dizia o saudoso Nilson Monarca lá da lendária São Chico de Paula: - Para a doença de quem olha mas não vê, não hay chá-de-formiga nem reza de benzedeira que cure. 


 
 

LANÇAMENTO DE LIVRO



Se tem uma coisa que prezo por demais, principalmente depois do advento da internet onde você busca toda e qualquer informação em poucos segundo nos meios virtuais, é a publicação de livros. Considero verdadeiros heróis culturais quem ainda insiste em editar uma obra.
 
Pois neste dia 22 de abril, as 9 hs, aqui no Pioneiro (35 CTG) teremos o lançamento de um livro de valor, de um amigo que há tempos vem labutando pelo tradicionalismo e, mais especificamente, pela poesia e a arte da declamação. Falo de José Luiz Rodrigues dos Santos e o livro intitulado Ainda a arte de declamar no gauchismo. José Luiz é declamador, orientador e palestrante da arte declamatória, escritor, autor do livro “A Arte de Declamar no Gauchismo”. Avaliador de diversos eventos, entre os quais: Enart, Fegames, Fecart, Fepart, Fegarp, Femart entre outros. Ex-Sub Diretor dos Departamentos de Manifestações Individuais e Espontâneas do MTG/RS e da CBTG.

Sua aluna mais destacada? Sua filha Liliana Cardoso Duarte, campeoníssima de diversos festivais poéticos pelo Rio Grande afora.
 
O trabalho traz a marca da Bastos Produções e o lançamento acontecerá paralelamente ao 1º Pioneiro do Verso Xucro, festival de poesias que acontece em comemoração ao aniversário do primeiro CTG a ser fundado nesta Província de São Pedro.

Parabéns e sucesso, meu amigo José Luiz Rodrigues dos Santos.


 
 
 
 

CHASQUES DO MTG


Últimos dias para inscrições para o Cfor de Erechim
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho realiza, até o dia 22 de abril, as inscrições para o curso de Formação Tradicionalista – Cfor Básico. O evento acontecerá em Erechim, na 19ª Região Tradicionalista, no dia 29 de abril, das 9h às 18h, no CTG Sentinela da Querência.
 
O conteúdo programático contempla História do Rio Grande do Sul, História do Tradicionalismo Gaúcho; Noções básicas da Cultura Gaúcha; Carta de Princípios; Gestão de pessoas: liderança, relacionamento interpessoal e gerenciamento de conflitos; Voluntario e  Conduta e Ética.
 
As inscrições, ao custo de R$ 65,00, podem ser feitas pelo link
 
Mais informações podem ser obtidas pelo email cursos@mtg.org.br.
 
Foto: Divulgação
 

MTG participará do 14º Fenart
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho participará do 14º Fenart – Festival Nacional de Arte e Tradição, 18º Rodeio Crioulo Nacional de Campeões e do 8º Jogos Tradicionalistas. Os eventos acontecem de 19 a 23 de julho em Querência, Mato Grosso, realizados pela Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, pelo MTG de Mato Grosso e CTG Pousada do Sul.
 
Segundo Nairo Callegaro, presidente do MTG, no total os organizadores do evento aguardam a participação de 4 mil competidores, representantes de todos os estados brasileiros onde tem MTGs, e em breve a entidade confirmará o número de participantes do Rio Grande do Sul. “É uma oportunidade única de reforçarmos o tradicionalismo gaúcho em nível nacional e também de revermos amigos”, afirma.
 
Recentemente, o vice-presidente campeiro do MTG, José Araújo, esteve no município de Querência para conhecer as instalações onde serão realizadas as provas. Na ocasião, o presidente da CBTG – Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, João Mello, fez o receptivo aos visitantes.
 
Foto: Vanessa Welter
 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
51 93700619
 
 
 

segunda-feira, 17 de abril de 2017

SERÁ QUE SOU MEIO "LOCO"?



Será que sou meio "loco" 
por ter de amigo um cavalo
que não me carrega mais
mas que entende o que eu falo?
 
Eu tenho um cavalo velho, sem serventia (para muitos). Está comigo há 13 anos e foi meu parceiro de cavalgadas por quase uma década. Faz três anos que não lhe atiro um pelego em face de um "nó-nas- tripas" seguido de forte "aguamento" Paguei quatro vezes mais pela cirurgia do que pelo seu valor de compra. Gasto R$ 350,00 reais por mês (mais vacinas) para ele ficar bem a vontade no Haras Calábria, no Sul da capital e três ou quatro vezes ao mês eu vou lá prosear com ele. Isto mesmo. Vou lá prosear com ele. Contar das minhas angustias e das minhas pataquadas. Ele parece que me entende e deixa de tudo para ficar por ali comigo.
 
Serei um "Florêncio Guerra" da música de Mauro Ferreira e Luis Carlos Borges vencedora da Califórnia que preferiu morrer junto de seu cavalo do que simplesmente mata-lo a mando do seu patrão? Ou serei apenas, como disse, meio "loco"? 
 
Meu irmão e amigo Aloir Pinto já me ofertou seus campos dobrados lá de sua belíssima propriedade, na Boa Vista, em Cambará do Sul, para deixar o Mouro velho correr e morrer livre mas ainda não garrei coragem de botá-lo em um caminhão.
 
Por isto não me causa estranheza ao ler na reportagem de Zero Hora do homem adoentado no hospital Mãe de Deus que pediu para ver seu cavalo, no que foi atendido pela direção. Como ele não podia sair do hospital, levaram seu pingo até ele. Dizem que o enfermo até melhorou após a "visita". Eu acredito nisto.

Nota do Blog: Meus amigos. Esta prosa acima, apesar de verdadeira, é apenas uma distração. Vocês perceberam o período que estamos atravessando? Esta sujeira política que nos apresenta a lava-jato e, para o mal dos pecados, estamos nas mãos de dois governantes mundiais prestes a iniciar uma guerra que será o fim de tudo?! E depois eu é que sou louco ao prosear com meu cavalo. 
 
 
 

VENCEDORES DA "BARRANCA" DE SÃO BORJA




Simmm, um raio cai duas vezes no mesmo lugar! Vencemos o festival da Barranca novamente! Isso é um mero detalhe diante da grandiosidade dos dias vividos, cada fala, conversa, olhar, experiências trocadas nos tornou muito melhores quando saímos do que quando chegamos! Certa feita li um texto do Vinícius Brum falando da estranha energia que nos puxava para aquele local nesse momento do ano, cada vez... faz mais sentido! Bueno, e os "Sobrinhos de Sepé"? Esse grupo que oportuniza tantas pessoas diversas se olharem como iguais em prol da arte, isso nos revigora! Mas com prazo de validade, a próxima Semana Santa! Ahh, sim, fizemos grandes obras musicais, " Cataventos", essa parceria com texto brilhante do Tadeu Martins, com melodia minha e de Lenin Nunez marcará nossa história e passagem por esse plano, o palco dividido com o Bil ( Fábio Furian), Guilherme Goulart, Lênin, Angelo Franco e Oftalmo Silveira não sairá de nossas retinas! Que sigamos iluminados por Deus, nosso Grande Arquiteto e, claro, pela luz do Generoso! Satisfação ter o Rillo mais perto em casa! Beijos a todos! 

 
 
 

domingo, 16 de abril de 2017

A ORIGEM DA PÁSCOA


Páscoa é uma importante celebração da igreja cristã em homenagem a ressurreição de Jesus Cristo.
 
De acordo com o calendário cristão, a Páscoa consiste no encerramento da chamada Semana Santa. As comemorações referentes à Páscoa começam na "Sexta Feira Santa", onde é celebrada a crucificação de Jesus, terminando no "Domingo de Páscoa", que celebra a sua ressurreição e o primeiro aparecimento aos seus discípulos.
 
A Semana Santa é a última semana da Quaresma, período em que os fiéis cristãos devem permanecer por 40 dias em constante jejum e penitências.
 
O dia da Páscoa foi estabelecido por decreto do Primeiro Concílio de Niceia (ano de 325 d.C), devendo ser celebrado sempre ao domingo após a primeira lua cheia do equinócio da primavera (no Hemisfério Norte) e outono (no Hemisfério Sul).
 
A Páscoa é classificada como uma festa móvel, assim como todas as demais festividades que estão relacionadas a esta data, como o Carnaval, por exemplo.
 
A comemoração da Páscoa, no entanto, costuma ser entre os dias 22 de março a 25 de abril.
 
A Páscoa é comemorada em vários países, principalmente aqueles com fortes influências do cristianismo. Os espanhóis chamam a data de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.
 
Etimologicamente, o termo Páscoa se originou a partir do latim Pascha, que por sua vez, deriva do hebraico Pessach / Pesach, que significa “a passagem”.

Páscoa judaica

Para os judeus, a Páscoa (Pessach ou Pesach) é uma antiga festa realizada para celebrar a libertação do povo hebreu do cativeiro no Egito, aproximadamente em 1280 a.C.  

As festividades começavam na tarde do dia 14 do mês lunar de Nisan. Era servida uma refeição semelhante a que os hebreus fizeram ao sair apressadamente do Egito (o Sêder de Pessach).

Símbolos da Páscoa

A Páscoa é recheada de símbolos representativos, assim como quase todas as celebrações religiosas. A maioria destes símbolos, no entanto, foram sincretizados pela igreja a partir de costumes e rituais pagãos ou de outras religiões.

O coelho da Páscoa, por exemplo, se tornou um dos principais símbolos desta festividade em referência as comemorações feitas pelos povos antigos durante o começo da primavera. Acreditava-se que o coelho era a representatividade da fertilidade e do ressurgimento da vida.

O ovo também é um símbolo da Páscoa, pois representa o começo da vida. Vários povos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes a passagem para uma vida feliz. A partir deste costume, surgiram os primeiros Ovos de Páscoa.




 
 

sábado, 15 de abril de 2017

O SIGNIFICADO DE SÁBADO DE ALELUIA


"queima de judas" ocorre no Sábado de Aleluia

Sábado de Aleluia é o Sábado da Semana Santa, o primeiro dia depois da crucificação e morte de Jesus Cristo e o dia anterior ao Domingo de Páscoa.

O Sábado de Aleluia ou Sábado Santo é uma data móvel, podendo cair entre os dias 21 de março e 24 de abril.
 
Durante o Sábado Santo é celebrada a Vigília Pascal, ocasião em que os fiéis cristãos se reúnem em constantes orações durante toda a madrugada que antecede o Domingo de Páscoa.
 
O significado da Vigília Pascal está relacionado com a preparação para a ressurreição de Jesus Cristo que, segundo a bíblia, aconteceu três dias após a sua morte.
 
No Sábado de Aleluia também é o dia em que se acende o Círio Pascal, uma grande vela que simboliza a Luz de Cristo, que ilumina o mundo.
 
Na vela, estão gravadas as letras gregas Alfa e Ômega, que querem dizer "Deus é o princípio e o fim de tudo”.
 
Na tradição católica, os altares das igrejas são cobertos, pois assim como na Sexta-Feira Santa, não se celebra a Eucaristia. Além da Eucaristia, também é proibido celebrar qualquer outro sacramento, exceto o da confissão.
 
Originalmente, durante o Sábado de Aleluia os católicos romanos deveriam praticar um jejum limitado, como a abstinência no consumo de carne vermelha, que deveria ser substituída por peixes.
 
É também no Sábado de Aleluia que se faz a tradicional Malhação de Judas (ou Queima de Judas), representando a morte de Judas Iscariotes, discípulo que teria traído Jesus Cristo.
 
Nesta tradição popular, as pessoas costumam fazer bonecos de pano (ou de outros materiais) que simbolizam a figura de Judas. Depois, reúnem-se e “torturam” o boneco, simulando a sua morte das mais diferentes formas, seja enforcado em árvores ou queimado numa grande fogueira.
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 14 de abril de 2017

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO


 
Sexta-Feira Santa, ou Sexta-Feira da Paixão, é a sexta-feira antes do Domingo de Páscoa. É a data em que os cristãos lembram o julgamento, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo.

Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao 14º dia do calendário hebráico. Assim contando, chega-se a sexta-feira como dia da morte de Cristo.

A Sexta-Feira Santa é um feriado móvel que serve de referência para outras datas. É calculado como sendo a primeira sexta-feira de lua cheia após o equinócio de outono no hemisfério sul, ou o equinócio de primavera no hemisfério norte, podendo ocorrer entre 22 de março e 25 de abril.

Na igreja católica, este é o mais importante período do ano litúrgico. Toda ritualística e liturgia católica está em função de Cristo Crucificado.

Em várias partes do Brasil e do mundo a celebração da Paixão e Morte do Senhor é acompanhada de Procissão do Enterro, também conhecida como Procissão do Senhor Morto. Em Porto Alegre, em direção ao Morro da Cruz, se refaz a Via Sacra de Cristo.

A igreja exorcisa os fiéis a que neste dia se observem alguns sinais de penitência, assim, convida-os a prática de jejum e de abstinência de carne, além de muita oração.

Lembro que em meus tempos de menino, na Sexta-Feira Santa, as crianças eram proibidas de correr, de gritar, caso contrário apareceria o "demo". Os adultos não tiravam leite, não varriam casa, enfim, era um dia de reclusão e venerança.
 
 
 

quinta-feira, 13 de abril de 2017

MADRUGADA DE COLHER MACELA


deve-se colher a macela na madrugada de quinta para sexta-feira santa
quando ainda está serenada (lágrimas de Nossa Senhora)

A macela é uma erva da flora brasileira também conhecida por macela-do-campo, macelinha, macela de travesseiro, carrapichinho-de-agulha, camomila nacional etc. Popularmente, em algumas regiões, é incorretamente chamada de "marcela".

É um arbusto perene que atinge cerca de um metro de altura e que, na nossa região, costuma florescer no mês de março. As flores são amarelas, com cerca de um centímetro de diâmetro, florescendo em pequenos cachos. As folhas são finas e de cor verde-claro, meio acinzentada, que se destaca do restante da vegetação do campo.

Aqui pelo sul, as flores da macela costumam ser usadas como estofo de travesseiros para os bebês, por se acreditar que tenha efeitos calmantes.

Tais flores têm um aroma agradável e a infusão destas ou de suas folhas alivia dores de cabeça, cólicas e problemas estomacais.

Como uso externo emprega-se a macela na lavagem de feridas e úlceras. Também é utilizada para o clareamento de cabelos.

Em São Francisco de Paula a tradição da Colheita da Macela virou festividade. Milhares de motoqueiros, em romaria, dirigem-se a cidade serrana para participarem de espetáculos musicais e, na madrugada, colherem a planta que amarela os campos de cima da serra.

A colheita da macela na Sexta-feira Santa, antes do sol nascer, se deve a crença de que nesse dia a planta traga mais eficiência ao chá das flores.

No entanto, segundo os antigos, deve-se colher a macela na madrugada de quinta para Sexta-Feira Santa porque o seu orvalho representa as lágrimas de Nossa Senhora.

festa da colheita da macela, em São Francisco de Paula
 
 
 

CHASQUE DO MTG


Contagem regressiva para mais um #vempromate 

 
Quando o assunto é ‘chimarrão’, não existe qualquer distinção, seja de raça, crença, nível cultural, posição social ou financeira. A bebida do gaúcho é popular e democrática. Não importa se a cuia é simples ou decorada - bomba e térmica da mesma forma. O chimarrão agrada a todos (ou pelo menos a muitos).
 
Com esse espírito, o Movimento Tradicionalista Gaúcho mais uma vez faz a frente na realização do #vempromate. A iniciativa começou em 2015, com o objetivo de comemorar o Dia do Chimarrão e do Churrasco (24 de abril). O convite é para que, neste dia, todo apreciador publique uma fotografia sua mateando e, na medida do possível, também encontre amigos, familiares e colegas para celebrar presencialmente a data.
 
Quem digitar #vempromate nos sistemas de busca de mídias sociais, em especial Facebook, Instagran e Twitter, entenderá a razão pela qual o chimarrão é símbolo de amizade e hospitalidade. As fotos que aparecem no relatório da pesquisa, relativas à edição de 2015 e 2016, evidenciam o quanto o chimarrão é popular. Não tem lugar, nem hora do dia, quanto menos tempo ruim. Crianças apreciam, adultos, idosos, homens e mulheres... O mate é companhia no trabalho, na sala de aula, nos momentos de lazer, quando se está sozinho ou acompanhado, com pilcha e sem pilcha.
 
Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, o #vempromate está se consolidando no calendário de eventos da entidade. ‘Muitas vezes somos criticados porque realizamos com muito sucesso eventos competitivos, seja na área campeira, seja na área artística, e o #vempromate vem mostrar que, antes de competir, estamos disponíveis ao encontro, à união”, afirma.

Foto e texto: Sandra Veroneze
Imprensa MTG
 
 
 
 

quarta-feira, 12 de abril de 2017

MENDONÇA E PEDRO JUNIOR


NOVAMENTE NA CRIOLLA DEL PRADO, EM MONTEVIDEU

 
Começou sábado, dia 08, a Semana Criolla del Prado em Montevidéu. Os pajadores brasileiros Paulo de Freitas Mendonça e Pedro Junior da Fontoura estarão por lá nos representando novamente nos dias 13, 14 e 15 de abril. Esta foto foi um flagrante da comemoração dos 90 anos da Criolla. Aparecem três músicos, Luis Santana (Uruguai), Erdwin Vichot Blanco e Jesus Contrabajista (Cuba), a payadora Mariela Acevedo (Uruguai), Juan Alberto Lalanne (Argentina) Paulo de Freitas Mendonça (Brasil) Gabriel Torres (Chile), Luis Paz - Papillo (Cuba) e Gustavo Capote (Uruguai).