RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
DESCULPE - UMA PALAVRA MÁGICA QUE RESOLVERIA MUITAS E MUITAS PENDENGAS - Foto: Seu Valdemar Batista. Capa do disco de Honeyde Bertussi

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

CARTA A URUGUAIANA


Léo, meu mano, sempre atento e oportuno em seus comentários e dando aulas de informação.

Além dessa do Silvio Genro (baita parceiro, baita poeta) que postaste em teu blog, lembrei de uma do LEONARDO, que inclusive deu título a um disco dele, CARTA A URUGUAIANA. Hoje lendo as matérias, a carta que foi feita em 1981, acredito que o Leonardo tenha deixado uma resposta atemporal.... Copiei parte da letra aqui, e estou te mandando o áudio.

Outra letra que me ocorreu é a do falecido PERCIVAL FERNANDES PEDROSO, chamada QUEREM CALAR MINHA GAITA, ele disse:

É triste ouvir a CALHANDRA, cantar outra melodia,
que já não tem a beleza do canto da cotovia...
Querem calar minha gaita, sufocar minha viola,
matricular os meus versos no banco de outra escola....

Carta a Uruguaiana / Leonardo

Um abraço aos meus patrícios das plagas de Uruguaiana
gente de alma pampeana, de raízes centenárias,
defensores de Fronteira, amantes do nativismo
que tem em seu catecismo, tantas joias literárias.
Recordo setenta e um, o teu ato de heroísmo, 
pois implantar nativismo, naquele tempo era fogo,
a cordeona abriu caminho, conquistando um novo espaço
Hoje fadada ao fracasso por uns poucos demagogos!

Finca pé, minha cidade, que a iniciativa foi tua
Grita alto, senta a pua, faz valer tua verdade.
Não deixa que meia dúzia, torno os jovens infelizes
apodrecendo as raízes, lhes roubando a identidade.

Antes dos anos setenta, muita gente sabe disso,
não havia compromisso com a nossa arte pampeana
chamaram o jovem gaúcho, com violão, bombo e cordeona
para a "cidade de lona", nos campos de Uruguaiana.
Foi crescendo a Califórnia e os interesses também
e o sucesso foi além, com puro regionalismo
aí entrou a vaidade de alguns mentores do evento,
e trançaram tento a tento um buçal para o nativismo.

Abração meu mano.
Edgar Paiva / Passo Fundo